A saúde do brasileiro ao Deus dará

Saúde é a reivindicação primeira de todo ser humano.
Sem ela, de nada adianta o resto, especialmente as brigas de colegiais adolescentes travadas em Brasília, entre o Governo Dilma e seus oposicionistas, que, de tão bizarra, já está com ar de uma imensa farra combinada.
Na verdade, um ano inteiro se passou nesse jogo de empurra.
“Fiz pedalada fiscal porque não tinha bicicleta”.
“Mas como? Nós da oposição demos à presidenta uma bicicleta novinha”.
“A presidenta mente”.
“Ora, quem mente são Vossas Excelências”.
E assim, o Brasil fica estagnado e o brasileiro devendo até bolso vazio…
Desde que começou seu segundo mandato, a verdade é que Dilma só se preocupou consigo mesma, tentando manter o seu cargo a todo custo. Qual o resultado? Simples, o nosso país está à deriva.
Houve demora de quelônio para a administração petista sequer saber que o mosquito Aedes Aegypt estava fora de controle, transmitindo dengue, chikungunya e microcefalia…
O zika vírus infectou ao menos meio milhão de brasileiros nesse ano, de acordo com a estimativa mais otimista do Ministério da Saúde.
Na previsão mais pessimista, foi contaminado 1,4 milhão de pessoas, segundo o Protocolo de Vigilância e Resposta à microcefalia e ao zika, divulgado no último 8 de dezembro.
O Brasil já soma 1.761 casos suspeitos de má-formação, com 19 mortes de bebês notificadas. Para o ministro da Saúde, Marcelo Castro, a situação é “gravíssima”.
O Brasil e seu povo foi posto de lado por um governo que só se preocupa com bravatas, infelizmente.

Ramalho da Construção
Sindicalista e deputado estadual pelo PSDB-SP

siga-nos