Artigo – Mais recursos para setor de construção

Assim que o presidente Michel Temer tomou posse, grandes lideranças da construção civil, estiveram com ele em Brasília.
 
Tive a oportunidade de participar do encontro. Nele, a cadeia produtiva do segmento recomendou investimentos pesados no setor, como forma de fazer o Brasil voltar aos trilhos do crescimento.
 
Infelizmente, isto não aconteceu. Temer partiu para uma agenda essencialmente política, recheada de reformas impopulares que levaram sua administração a meros 7% de aprovação pública, além de desemprego, muito desemprego.
 
Folheando O Estado de S. Paulo, me deparo com uma boa notícia. A de que a Caixa anunciará a liberação de novos recursos para tentar estimular a economia.
 
Segundo o Estadão, o banco deve lançar, em breve, uma nova linha de crédito, de R$ 1,5 bilhão, para financiamento de loteamentos. Tal financiamento, de fato, pode contribuir com a retomada da economia e até criar bom número de postos de trabalho.
 
De acordo com o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, a Caixa já mapeou mais de 500 empresas que poderiam tomar o crédito.
 
O caminho é por aí. Pelos meus cálculos, com R$ 1 bilhão o governo poderia construir 13,1 mil unidades habitacionais em todo território nacional, número suficiente para gerar mais de 49 mil empregos na cadeia do setor da construção. E mais: diminuiríamos o déficit habitacional, pois muitas famílias, infelizmente, ainda vivem sem casas.
 
Juros
 
A Caixa informou, ainda conforme divulga o Estadão, que deve colocar em prática taxas de juros personalizadas para o crédito imobiliário, de acordo com o risco do cliente e da carteira. A ideia é cobrar juros com base no perfil de risco de cada cliente, que pode variar de acordo com o montante do empréstimo, tamanho da entrada e prazo de pagamento.
 
É torcer para que dê certo e, também, para que o Brasil se reencontre com o desenvolvimento.
 
 
Ramalho da Construção
Sindicalista e deputado estadual pelo PSDB-SP 

siga-nos