BASE – O trabalho não pode parar

(04-01-2017 – Assessoria de Imprensa)


O Sintracon-SP -Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo -continuou com sua luta intensa nesse fim de ano. Mesmo em recesso, do dia 21 de dezembro de 2016 ao dia 4 de janeiro de 2017, os departamentos de Base – Visitação de Obras e Tesouraria funcionaram normalmente. 


A Tesouraria recebeu os sócios que quiseram efetuar o pagamento da mensalidade no período das festas de fim de ano. 


O sistema de Base, por sua vez, recebeu diversos trabalhadores na sede e visitou inúmeras obras, confrontando as empresas que não respeitam os direitos do trabalhador da Construção Civil.


Apesar do clima natalino, 17 empresas deixaram de pagar o 13° salário aos seus funcionários e número preocupou o presidente do Sintracon-SP, Antonio de Sousa Ramalho, o Ramalho da Construção.


“A nossa luta é diária, por isso não deixamos de atender os trabalhadores da Construção Civil neste período. Me impressiona o número de empresas que deixaram de cumprir com as suas obrigações não respeitando os direitos dos trabalhadores. Estamos de olho e espero que este cenário mude nesse novo ano”, apontou o presidente.
Além do não recebimento do 13° salário, o Sintracon-SP recebeu denúncias de atrasos no pagamento, do vale-alimentação e vale-transporte.


Sócios

Uma boa notícia é que dezenas de companheiros fizeram a sua sindicalização. Este é um ponto positivo, pois contribui para o fortalecimento do operário na representação da classe junto as empresas. “Isto demonstra que o Sintracon-SP está exercendo a sua função junto ao trabalhador da construção civil. Estamos empenhados em defender os seus direitos, garantir a sua segurança e o bem estar de suas famílias”, finalizou o presidente Ramalho da Construção. 


LEGENDA

O presidente Ramalho da Construção em reunião com a equipe de Base 

siga-nos