Candidato eleito que não cumpre o que promete é estelionatário

 

Candidato eleito não cumpre o que promete é estelionatário

São Paulo é uma das maiores metrópoles do planeta. Nela, cabe o mundo. Sim, pois foi escolhida como moradia por gente de todos os credos e raças.
A gente que habita a Capital bandeirante quer oportunidades de levar uma vida melhor. Por isso aqui desembarcou, lutando para transformar sonhos em realidade.
Terra escolhida que é, São Paulo deveria ser mais bem administrada.
Merecia, no mínimo, que seu prefeito não faltasse com a verdade e cumprisse com suas promessas.
Haddad, entretanto, não revela ter estatura política compatível com a grandeza do município que governa.
Leio, no Diário de S. Paulo, que Haddad não efetivará diversas de suas metas.
Disse, o prefeito, que entregaria 243 unidades de educação infantil. No entanto, 118 delas ficarão ao deus dará.
Falamos de educação, agora, vamos abordar a saúde.
O menino do PT fez apenas 13 das 43 UBSs integrais com as quais se comprometeu.
Ora… com educação e saúde não se brinca, pois são necessidades básicas da população.
Campanha eleitoral não pode ser construída sob promessas.
É preciso, no campo das ideias, estudar e planejar antes de se fazer um programa de governo, certo?
Se o candidato não leva em consideração os recursos disponíveis a tal fim, está sendo irresponsável e cometendo estelionato eleitoral.
Como diz o vereador do PSDB por São Paulo, Andrea Matarazzo, “em pleno século XXI não é possível fazer campanha com promessas que servem apenas para ganhar votos, mas impossíveis de serem executadas”.
Pobre São Paulo, pobre paulistano!

Ramalho da Construção
Sindicalista e deputado estadual pelo PSDB-SP

siga-nos