Capital registrou 38 casos de dengue em 2 semanas

Em menos de 15 dias, a capital paulista registrou 38 casos confirmados de dengue. Já o número de notificações chegou a 905, conforme o primeiro balanço realizado pela Secretaria Municipal de saúde neste ano. O período analisado foi de 3 a 16 de janeiro.

No mesmo período de 2015, foram 162 ocorrências confirmadas e 813 notificadas. Portanto, o número de pessoas que procuraram hospitais e postos de saúde aumentou 11%.

Já para a febre chikungunya, São Paulo teve apenas dois casos importados, conforme a pasta. Nos 12 meses anteriores, foram 61 confirmações. Em todo o ano passado, 100.440 moradores foram infectados e 25 deles morreram.

O resultado, aliado ao aumento no volume de chuvas, fez a administração estimar um cenário ainda mais alarmante em 2016. O número de infectados pode chegar a 150 mil.

Força total / O secretário municipal de Saúde, Alexandre Padilha informou que a equipe de combate ao mosquito transmissor vai ser formada por 30 mil pessoas.

“A campanha conta com 20 mil trabalhadores de limpeza urbana, 2 mil agentes de vigilância em saúde, 8 mil agentes comunitários de saúde e cem soldados do Exército Brasileiro para orientar e ajudar as pessoas a eliminar os criadouros do mosquito, que, em 85% das vezes, estão na casa das pessoas”, disse o petista ao portal da Prefeitura.

O grupo vai visitar as casas e orientar os moradores sobre a necessidade de se eliminar criadouros do mosquito.

Em 2016, a administração municipal adotou a aplicação de um produto chamado BTi (fumacê) para eliminar as larvas de locais infectados. Um drone também será usado para mapear possíveis focos. Outra novidade é a aplicação de 50 mil kits de testes rápido na rede de saúde municipal. O diagnóstico sai em até 25 minutos.

Mas apesar de ter garantido que todas os 451 postos de saúde contariam com o material a partir da última segunda-feira, o DIÁRIO mostrou que, neste dia, Duas de três UBS (Unidades Básicas de Saúde) da Zona Leste não haviam sequer recebido os kits e nem tinham equipe treinada para fazer o exame.

Um dia depois, de 25 unidades verificadas, quatro não tinham os exames, duas estavam sem profissionais treinados e uma atendia só adultos por falta de pediatra. A secretaria negou tanto a ausência do material quanto a falta de treinamento dos servidores, muito embora o DIÁRIO tenha constatado a situação junto aos funcionários.

Como prevenir:

– Pratos de vasos de plantas devem ser preenchidos com areia;

– Tampinhas, latinhas e embalagens plásticas devem ser jogadas no lixo, e as recicláveis guardadas fora da chuva;

– Latas, baldes, potes e outros frascos devem ser guardados com a boca para baixo;

– Caixas d’água devem ser mantidas fechadas com tampas íntegras, sem rachaduras, ou cobertas com tela tipo mosquiteiro;

– Piscinas devem ser tratadas com cloro ou cobertas;

– Pneus devem ser furados ou guardados em locais cobertos;

– Lonas, aquários, bacias e brinquedos devem ficar longe da chuva;

– Entulhos ou sobras de obras devem ser cobertos, destinados ao lixo ou à “Operação Cata-Bagulho”;

– Cuidados especiais para as plantas que acumulam água, como bromélias e espadas de São Jorge: ponha água só na terra.

Fonte: Jornal Diário de São Paulo, dia 24.01.2016

 

siga-nos