Ciro Gomes, um bravateiro!

Foi em 2002? Não estou bem certo. O tempo às vezes engana. Mas, sim. Foi em meados de 2002 mesmo. Estava, ao lado de dezenas de sindicalistas, esperando por uma palestra, seguida de debates, de Ciro Gomes, então candidato favorito às eleições presidenciais.
Lembro que seu vice era o Paulinho da Força. Como se estivesse olhando uma foto, revejo, na memória, a marcante presença de Patrícia Pillar, atriz e mulher de Ciro à época. Ela estava tratando de um câncer. Surgiu absolutamente sem cabelos, reflexo do tratamento um tanto invasivo (pelo qual já passei, diga-se).
Mas, em que pesem as circunstâncias, nada tirava a personalidade e a majestade de Patrícia Pillar.
Ciro falava, falava, e recebia vivas da plateia. Foi quando alguém perguntou que papel Pillar desenvolveria em seu eventual governo.
A questão pareceu abalar Ciro Gomes que, ato contínuo, desencadeou um dos maiores desastres políticos da história. E pior. Contra si mesmo.
Sem pestanejar, respondeu: a função da Patrícia é a de dormir comigo!!!
Naquele instante, a sua candidatura foi para o espaço, tamanha a gafe e o desaforo.
Pois bem. Hoje leio no Diário de S. Paulo uma crítica dele à atuação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, nesse momento de crise.
À soldo de Dilma e do continuísmo, Gomes foi, como é de sua natureza, desairoso. Soou sem sentido e de forma grosseira.
É de se perguntar ao Ciro, que estava no limbo da política e quer dele sair a custas de bravatas, que moral tem ele para falar qualquer coisa.
Ciro Gomes, para mim, está marcado como um boquirroto irresponsável, desses que ninguém merece…

Ramalho da Construção
Sindicalista e deputado estadual pelo PSDB-SP

 

siga-nos