Construtora Vitacon tem canteiro de obras cheio de irregularidades.

Na manhã de 12 de agosto foi realizada uma nova paralisação envolvendo 3 obras em um canteiro de obra da Construtora Vitacon na rua Gomes de Carvalho n° 1108/1156. No dia anterior duas obras na Rua Baluarte- 139 e Rua Casa do Ator-829 ambas na Vila Olímpia, também foram paralisadas.
O motivo: diversas irregularidades encontradas pelo setor de Base do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo, o Sintracon-SP, que ferem a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria, tais como:
– Café da manhã em péssima qualidade;
– Empreiteiras estavam com o pagamento dos trabalhadores em atraso e também uma delas não pagou o vale alimentação;
Pagamento dos funcionários realizado apenas no dia 15 de cada mês;
-Péssimas condições na área de vivência, com direito a ratos;
-Unificação dos cartões de ponto.
A principal causa de indignação dos trabalhadores, todavia, é a falta de pagamento aos profissionais, que, aliás, já se encontra muito atrasado.
As empreiteiras envolvidas nas irregularidades, todas subcontratadas pela Vitacon, são as seguintes:
– AJCM;
– Café;
– Fred Pinturas;
– Construtora Construck;
– JPL;
– MGP;
– Buri.
Há exatos 8 meses, o sindicato veio recebendo ligações e denúncias destas obras da Vitacon, que dizia em sua defesa que não iria se responsabilizar pelo pagamento destes funcionários, alegando ser da empreiteira o cumprimento do pagamento. Por conta disso a assessoria de base do Sintracon SP foi até o local fazer a paralisação até que a situação fosse regularizada.
A chegada da equipe ao canteiro foi às 6 horas da manhã, aos poucos os trabalhadores foram chegando e convidados a participar da manifestação, uma hora depois nosso diretor Júnior começou a interagir com os companheiros que ali estavam.
Vários temas foram abordados, como por exemplo, o projeto dos tablets para agilidade no atendimento aos trabalhadores, além de um belo discurso de motivação aos companheiros. “Mexeu com um trabalhador, mexeu com todos”. Disse o diretor Ramalho Júnior, para a alegria dos trabalhadores presentes.
Com o passar do tempo o número de companheiros à frente do canteiro da obra foi aumentando deixando clara a insatisfação dos funcionários diante deste caso de completa falta de respeito por parte das empreiteiras. Durante a paralisação, alguns boatos de ameaças foram ouvidos por parte da equipe do sindicato.
Diretores da construtora disseram que iriam demitir por justa causa todos os trabalhadores que estavam participando daquela manifestação. Entretanto, não houve medo por parte dos companheiros que ali permaneciam firmes até a chegada da equipe da Rede TV que faria uma matéria ao vivo sobre esta paralisação, no programa Melhor Pra Você no quadro Megafone do Povo.
Por volta das 08h30min da manhã a equipe da emissora chegou e distribuiu apitos e cartazes aos trabalhadores que logo foram fazendo muito barulho para chamar a atenção dos responsáveis pela construção. As 10h00 o programa entrou ao vivo registrando tudo o que estava acontecendo a frente daquele canteiro.
Pouco tempo depois a assessoria de imprensa da Vitacon chegou ao local e pediu a produção do programa que tivesse a oportunidade de falar a respeito do assunto também, então foram colocados frente a frente os representantes do Sintracon SP e os responsáveis pela construtora.
O diretor de base Ramalho Júnior e o diretor de engenharia da construtora Marcos Alcântara falaram sobre este impasse. O representante da Vitacon alegou que as empreiteiras não estavam cumprindo seu papel ao não pagarem o que deveriam aos funcionários, uma vez que, a construtora estava em dia com os pagamentos.
Entretanto devido a paralisação, Marcos garantiu que um novo pagamento seria feito aos funcionários de maneira individual. Portanto a empresa estava assumindo o calote dado pelas empreiteiras.
“As empreiteiras receberam em dia da Vitacon não repassaram o dinheiro aos funcionários, então faremos o pagamento destes funcionários individualmente.”. Disse o diretor.
Ramalho Júnior também foi esclarecedor ao dizer sobre a responsabilidade da construtora perante esse caso: “Conforme previsto na cláusula 10ª da Convenção Coletiva de Trabalho, quando as subcontratadas pela construtora não cumprem com seus deveres, fica ao cargo da empresa majoritária o pagamento dos funcionários.”. Explicou ele.
Após todas as explicações dadas será feita uma reunião no sindicato para decidir a contratação de novas empreiteiras, nesse caso com uma reputação melhor, para que seja garantida a continuidade da obra e não haja mais problemas com demissões de empreiteiros.
Portanto ficou acordado em rede nacional, que a Vitacon irá adiantar o pagamento e ressarcir os funcionários que ainda não receberam o pagamento, além dos dias paralisados não serem descontados da folha de pagamento dos trabalhadores.
Será também discutida uma proposta de contratação de uma empresa de refeição industrial que cumpra sua obrigação junto aos funcionários em relação ao almoço, café da manhã e o café da tarde.
paralisacao 2

siga-nos