Crédito para financiamento de imóveis cai pela metade

A crise econômica, social e política brasileira deixou o sonho da casa própria mais distante. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o volume de crédito destinado ao financiamento de imóveis com dinheiro da poupança caiu pela metade no último ano, na comparação com 2014 (antes da crise e quando esses recursos atingiram patamar recorde, portanto).
Conforme dados do Banco Central, em 2017 o montante acumulado para financiar a compra e a construção da casa própria foi de R$ 83 bilhões, ante os R$ 168 bilhões de três anos antes. Pior: os números de 2017 representam a terceira queda seguida do volume de financiamento.
 
Sem obras, sem trabalho, sem casa, sem sonho, certo? E tal situação em nada interessa ao setor da construção e à sociedade como um todo.Diz o Estadão que uma das explicações para o recuo do crédito imobiliário está na situação da Caixa Econômica. Sem capital para cumprir regras internacionais de proteção, o banco estatal reduziu os financiamentos e aumentou os juros, jogando problemas nas costas do público consumidor.
Sim, pois vale ressaltar que a Caixa detém 70% do mercado, embora sem capital para dar continuidade a seus objetivos e igualá-los à situação pré-crise. 
A perda de recursos da caderneta de poupança, que havia ficado menos atrativa para o investidor com a alta dos juros no fim do governo Dilma Rousseff colaborou -e muito -para tão indesejável estado de coisas.
Ramalho da Construção
Presidente do Sintracon-SP

siga-nos