DIA DA MULHER – Segundo dia de palestras no Sintracon-SP

O Sintracon-SP (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo) continuou com o ciclo de homenagens às mulheres que comemoraram em 8 de março o Dia Internacional. Além do café da manhã, houve verificação da pressão, medição de glicemia, apresentação de dança, maquiagem e palestras de conscientização.
 
O presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção, vê a homenagem como fundamental em nossa sociedade e ressalta que faz a gestão do sindicato, também, para as mulheres presentes na construção civil.  
 
“Nos últimos anos, fizemos palestras de conscientização contra os atos que marginalizam a mulher no ambiente social e profissional. Acreditamos que isso seja necessário. Além disso, reencaminhamos os currículos das sócias desempregadas às empresas para possível retorno ao mercado de trabalho”, afirmou Ramalho.
 
Salsa
 
O sócio haitiano, Francky Sainfleur, e a professora de dança do Sintracon-SP, Carla Cristina, dançaram salsa ao ritmo cubano e abriram o evento. Depois do espetáculo, a professora convocou as sócias para participarem dos programas culturais do sindicato.
 
“Mulherada, a dança é importante para nós. Então, devemos praticar em todo momento. Pois, além de ser divertido, faz bem à saúde. Os exercícios físicos ajudam na articulação corporal e no bom humor. Venham conhecer o nosso trabalho”, convocou Carla.
 
Palestras
 
A advogada do Sintracon-SP, Lia Janini, falou sobre a importância de comparecer no sindicato para realizar os serviços da Previdência Social.
 
“Muita gente tenta resolver as pendências da aposentadoria sem instrução, não façam isso. Venham ao sindicato e procurem o Departamento Jurídico. Dessa forma, conseguiremos ajudar vocês, mulheres, tirando qualquer dúvida sobre a Previdência Social”, ressaltou a advogada.
 
O terapeuta, José Carlos de Oliveira, prosseguiu com a palavra. O assunto abordado por ele e pela assessora da diretoria do Sintracon-SP, Camila Patah, foi os males causados pelas drogas.
 
“As drogas causam dependência. O importante, na realidade, é vocês, mães, se atentarem ao comportamento dos seus filhos e terem uma relação muito próxima a eles. Assim, caso haja algum caso de dependência na sua família, vocês são as primeiras a saberem”, destacou o terapeuta.
 
Camila, por sua vez, contou sobre sua trajetória na juventude, onde teve problemas com drogas de inúmeros tipos.
 
“Comecei usando maconha quando tinha 14 anos. Depois, experimentei a cocaína e gostei. Quando entrei na faculdade, conheci várias drogas diferentes, inclusive o crack. Usei crack por muitos anos e, graças a minha família, hoje vivo limpa, sem drogas”, relatou Camila.
 
O sindicalista, Luiz Antônio Medeiros, prestigiou o projeto do Sintracon-SP e homenageou as sócias, esposas dos sócios e as mulheres das comunidades paulistas presentes no evento.
 
Maquiagem
 
Como no evento anterior, a Consultora Mary Kay voltou a disponibilizar uma mesa com diversos produtos de maquiagem para as sócias presentes. Dentre eles: blushes, lápis de olho, batons e bases.
mulher 17 - 1
mulher 17 - 10
mulher 17 - 2
mulher 17 - 7
mulher 17 - 8

siga-nos