Mais da metade das famílias brasileiras estão sem renda de trabalho

Os dados são oficiais. E perversos. De acordo com levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), durante os anos de recessão econômica e de crise no emprego, aumentou a proporção de lares brasileiros sem qualquer renda proveniente do trabalho.

 

As famílias mais pobres ou simplesmente sem renda de trabalho representam mais da metade (52%) dos lares brasileiros.

 

A política neoliberal que invadiu o Brasil no período Temer e se fortalece com Bolsonaro, segue a trilha de benesses para o capital, em detrimento do trabalho.



Vale dizer que a grande maioria das novas vagas formais que têm sido geradas no País possui remuneração máxima de até dois salários mínimos. Para os demais níveis salariais, a dispensa de trabalhadores é maior que o total de admissões.

 

Segundo dados divulgados, e confiáveis, os efeitos da crise econômica sobre o mercado de trabalho geraram não apenas uma expressiva dispensa de trabalhadores como também uma queda dos salários de contratação.

 

Isso sem contar que o esmagador percentual de empregos na informalidade, ou seja, sem direito a nada, é um fato.

 

A pergunta que não quer calar: Dá para ficar satisfeito om tão dantesco estado de coisas?

 

Ramalho da Construção

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo

siga-nos