Para “pôr o Brasil nos trilhos”, Temer quer mexer em direitos do trabalhador

Foto: Beto Barata/PR

O presidente Michel Temer, agora com faixa e foto em repartições públicas de todo o Brasil, vem revelando uma enfermidade neuropsíquica hoje muito conhecida: o TOC -Transtorno Obsessivo Compulsivo.
Está convicto, o excelentíssimo, que o problema para livrar o nosso País de todos os males está na Previdência Social e na aposentadoria, que considera precoce, do povo. E só bate nessa tecla.
A equipe econômica que cerca o agora mandachuva parece ter vestido cabresto em Temer. Só olha na direção de interesse das elites.
Através da mídia, fico sabendo que Michel “Jackson” Temer quer andar para trás, dar um moon walker nos direitos do trabalhador.
A proposta de reforma da Previdência que está na suntuosa mesa presidencial prevê idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e mulheres no Brasil, tanto para quem atua na iniciativa privada quanto para servidores públicos. 
Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, o ponto de corte para nova regra será de 50 anos.
Trabalhadores abaixo dessa idade terão que obedecer às novas exigências.
Para a faixa etária de 50 anos ou mais, será obrigatório o enquadramento em uma regra de transição de 40% ou 50% a mais no tempo que falta para a aposentadoria integral. 
Como profundo conhecedor dos canteiros de obras da Construção Civil (trabalhei em mais de 700 deles), a minha primeira reação é a de recomendar a Temer e seus burocratas de gravata que vão encher uma laje sob o sol do nosso “patropi”.
Gostaria de ver se eles, aos 65 anos, estariam com a saúde em dia, com esse porte e essa salubérrima empáfia de vaca premiada. Qual o quê. Marreta e picareta para os pilotos de gabinete são adjetivos que, aliás, lhes cabem.
Outro exemplo: Temer agora é uma mulher. Acorda de madrugada, chacoalha num trem por horas. Trabalha o dia inteiro. Volta. Cuida dos filhos, do marido, da casa. E, aos 65 anos, estará bela como Cinderela. É isso, Temer?
“Para preservar, temos que reformar a Previdência. Se não fizermos nada, a Previdência acaba”, disse Padilha.
Desemprego acima de 12 milhões de pessoas, juros de cheque e cartão de crédito estratosféricos, roubalheira desenfreada, corrupção correndo solta, assalto constante ao erário, informalidade, gente vendendo o almoço para pagar o jantar…nada disso é levado em conta pelo mandatário.
A nossa juventude é, disparada, a mais atingida pela falta de trabalho. Sim, os nossos jovens, que fazem parte da base da pirâmide da Previdência, estão num mato sem cachorro. Mas, para quem sofre de TOC, que importa…
Em recente artigo, citei a opinião do senador Paulo Paim (PT-RS), afirmando que é uma farsa esse negócio de que a Previdência é deficitária.  
E pergunto: Por que o Executivo jamais cobra as dívidas tributárias de grandes devedores para sanear as contas públicas?
Segundo Paim, a seguridade, que abrange saúde, assistência e previdência, seria superavitária com a cobrança de tais dívidas.
“É mais de R$ 1,3 trilhão de dívida atualizada. É só ir para cima e cobrar”, diz o senador. E digo eu, também.
Sempre critiquei Dilma Roussef por sua falta de diálogo com as centrais trabalhistas.
Já Temer, finge dialogar, mas faz ouvidos de mercador.
Sua excelência que trate o seu TOC e se TOQUE, pois derrubar presidente de pedestal já virou prática comum para a sociedade brasileira.
Para concluir, não entendo porque os nossos jovens bradam nas ruas por R$ 0,25 de aumento nos ônibus e não fazem a mesma coisa quanto a esse atentado a seus direitos.
Os jovens estão longe de saber que um dia vão envelhecer…
 
Ramalho da Construção
Sindicalista e deputado estadual pelo PSDB-SP

 

siga-nos