Rodoserv Engenharia não paga rescisão trabalhista

Quatro trabalhadores compareceram, nesta quarta-feira, 17, no Departamento de Base do Sintracon-SP (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo). O objetivo foi denunciar o descaso da Rodoserv, que, mesmo depois de ter recebido o prazo de 30 dias, declara não conseguir pagar as verbas rescisórias.
 
Além do problema com a rescisão trabalhista, a empresa, desde novembro, atrasa por cerca de 10 a 15 dias o salário dos operários, de acordo com os ex-funcionários.
 
Para o presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção, o comportamento da empresa é inaceitável: “Ocorrências como essa, infelizmente, estão sendo comuns. Devido a crise econômica do País, muitas empresas demitem os funcionários e, para piorar a situação do trabalhador, não pagam os seus direitos. O sindicato, por sua vez, faz a linha de frente e continua lutando pelos trabalhadores. E mais, só vamos parar de cobrar a Rodoserv quando os trabalhadores receberem seus respectivos direitos”, afirma o presidente.
 
Trabalhadores
 
Reginaldo Ferreira, 21 anos, é eletricista e cumpriu o aviso prévio no dia 5 deste mês. Contudo, ainda não recebeu o dinheiro da empresa. “Temo com o que pode acontecer comigo. Tenho que pagar pensão para a minha criança e todo o meu dinheiro está com a empresa. Não quero parar na cadeia”, relata Reginaldo.
Reginaldo_Rodoserv
Sandro Campel, 44 anos, trabalha como encanador e conseguiu, recentemente, outro emprego. “Fui demitido no dia 17 de abril, há um mês. Mas, por sorte, já consegui outro emprego. O único problema é que minha carteira ainda está assinada e a Rodoserv não quer realizar a homologação. O meu medo é não conseguir ingressar na empresa porque eles (Rodoserv) estão me atrasando”, declara o encanador.
Campel
 
O caso de Luiz Fernando, 45 anos, eletricista, é um pouco mais complicado. “Acredito que fui demitido por retaliação, isso porque fui um dos organizadores da manifestação que teve em frente à obra quando a empresa atrasou os nossos salários. Preciso desse dinheiro o quanto antes. Acabei de receber um aviso de corte de água em casa e ainda minha mãe está doente precisando de mim”, conta, emocionado, o trabalhador.
Luiz_fernando
 
Já o Aparecido Donizete, de 60 anos, acredita que foi demitido por causa de seu estado físico. “Sou encanador há anos na empresa. Contudo, por muitas vezes, tive que faltar no serviço devido as minhas dores no corpo. Sinto que eles (Rodoserv) quiseram se livrar de mim, infelizmente”, conclui Aparecido.
Aparecido
 
Sindicato
 

 

O Sintracon-SP, por diversas vezes, tentou entrar em contato com a empresa, mas não obteve êxito. Por esse motivo, elaborou um documento escrito e o enviou para o MPT-SP (Ministério Público do Trabalho), solicitando a fiscalização da Rodoserv. A intenção, também, é realizar, dentro do prazo de três dias, uma reunião com a empresa e os trabalhadores demitidos para definir as rescisões. 

 

siga-nos