Temer, a saúva atômica

As elites e suas nefastas influências vão, aos poucos, exterminando com o trabalho em prol do capital. O governo neoliberalista de Michel Temer é pior do que a saúva, cuja ferocidade, em meados do século passado, virou inimigo mortal do progresso do País, sintetizada na frase: “Ou o Brasil acaba com a saúva ou a saúva acaba com o Brasil”.

 

A reforma trabalhista, de truculento cinismo, acabou com a CLT, tirando, dos trabalhadores, conquistas que levaram década e mais décadas de luta. Outro atentado ao povo brasileiro está engatilhado: a reforma da Previdência. Agora, o Supremo Tribunal Federal aprova a terceirização irrestrita, abrindo caminho para a descontrolada precarização das condições de trabalho.

 

Todo mundo sabe que os empresários estão mandando embora gente com carteira assinada e contratando terceirizados pela metade, ou menos, do salário. E ninguém consegue parar com tal barbárie, uma vez que, na reforma, o governo enfraqueceu sobremaneira os sindicatos, lídimos representantes de quem trabalha para construir a Nação. A Justiça, antes gratuita e ao alcance do trabalhador, hoje precisa ser paga. E se por acaso o profissional perder a causa, tem de arcar com as custas do processo.

 

A decisão do STF é mais do que lamentável. Permitirá a exploração sem nenhum prurido do trabalho humano, já em condição degradante.

 

Éramos divididos em categorias. Agora, com a terceirização, o profissional pode ser desvinculado de sua entidade de classe.

 

O resultado da votação no STF causa indignação no movimento sindical. Análise de diversas centrais aponta para um verdadeiro tsunami no mercado, especialmente sobre as mulheres, os negros e os jovens.

 

É de se perguntar para que serve a medida tomada. Sim, pois a terceirização da atividade-fim vai criar empregos? Não, em absoluto.

 

Para a Força Sindical, vai reduzir os salários; dividir a representação sindical e prejudicar as negociações por benefícios e melhores salários.

 

E lá vai Michel Temer, ampliando ainda mais os problemas já existentes.

 

siga-nos