Tiros na democracia e na liberdade de expressão

Não é possível ficar calado. Não há como ignorar. A barbárie não deveria sequer resvalar as vestes de um Estado Democrático de direito, perfurando-as a balas de grosso calibre e banhando-as de sangue.
 
O assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Pedro Gomes, por razões políticas, não há dúvidas, precisa ser esclarecido, pois ultrapassou toda e qualquer barreira do bom senso imposto por mínima condição de cidadania e civilização.
 
Os tiros foram disparados no povo que elegeu Marielle para, livremente, expor suas ideias, doa a quem doer. Digo isto e deduzo: balearam a liberdade de expressão não só no Rio de Janeiro como no Brasil e no mundo.
 
Política é a arte de servir ao próximo, filosofia que era defendida e colocada em prática pela vereadora.
 
A violência que a atingiu e lhe ceifou a vida não tinha interesse público, mas meramente de grupos organizados e interessados em se manter no poder de forma espúria. Uma vergonha!
 
A sociedade, como um todo, exige a verdade!
 
 
Ramalho da Construção
Presidente do Sintracon-SP

siga-nos