Trabalhadores informais chegam a 10 milhões no País.

Créditos: Marcos Santos / USP Imagens
Devemos tal situação de calamidade pública à pantagruélica gula do governo petista de Dilma Roussef que, para se manter no poder a qualquer custo, escamoteou informações e verdades da nossa sociedade, pedalando nos orçamentos.
Foi fatal. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), compilado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), a quantidade de trabalhadores sem carteira de trabalho assinada tem crescido nos últimos meses.
No início deste ano, eram 9,7 milhões de profissionais sem nenhum tipo de contribuição trabalhista e previdenciária.
Julgo que trabalhador sem carteira assinada é dotado de certa clandestinidade em nosso País, pois, em grande parte, perde direitos e benefícios legais.
O pior é que a tendência demonstra crescimento da informalidade nos próximos meses.
Sim, pois o mercado de trabalho não deverá esboçar reação este ano.
Para o Ibre, a taxa de desocupação deverá encerrar o ano em 12,3%, sendo que, atualmente, a desocupação está em 11,3%.
Durma-se com um barulho desses…

 

Ramalho da Construção
Sindicalista e deputado estadual pelo PSDB-SP

siga-nos